fbpx

exercício

Aquela dor nas costas está insuportável. As queixas são muitas, mas os movimentos para solucionar a questão, poucos. Falta tempo na agenda. Na semana que vem você faz um alongamento ou marca aquele retorno ao fisioterapeuta, não é mesmo? Pensando melhor, a dor nem está tão insuportável assim. Alguém aí se identifica? Alguém aí está ignorando os pedidos de socorro emitidos pelo corpo e pela mente? 

Atentar aos sinais emitidos por corpo e mente e definir uma rotina de autocuidado que faça sentido no dia a dia pode ser um grande passo

Segundo o fisioterapeuta Regis Severo, que atua na área de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos da Mercur, é cada vez mais comum as pessoas “terceirizarem” suas questões de saúde. “Muitas vezes o que vivenciamos é que quando uma pessoa vai procurar um fisioterapeuta ou outro profissional de saúde ela tem uma queixa específica. Ela precisa, quer e confia que o profissional vai resolver o problema dela, mas às vezes ela não confia no potencial de controle que tem da própria saúde e ignora os sinais que o corpo emite, negligenciando um autocuidado que é imprescindível para o bem-estar”, afirma. 

O profissional defende que todos devemos fazer reflexões que nos levem a assumir o protagonismo, o controle da própria saúde para colocar em prática um autocuidado que somado a uma ajuda profissional pode de fato fazer a diferença. “O que estou fazendo para contribuir com o meu bem-estar, com a minha saúde? Como eu posso prevenir? Quais os sinais que o meu corpo e a minha mente estão emitindo? Como eu posso ser protagonista na minha melhora? São questionamentos importantes e que fazem a diferença no resultado de qualquer tratamento”, ressalta.

Autocuidado: reconhecimento do corpo e da mente

Coloque a máscara de oxigênio em você primeiro. Sabemos a origem deste alerta, não é mesmo? Como podemos cuidar da nossa vida e das nossas relações se a nossa própria saúde não vai bem? O que é saúde para você? Com a resposta dessa pergunta fica mais simples estabelecer uma rotina de cuidados para o corpo e a mente que faça sentido no seu estilo de vida.

Esses cuidados podem ser físicos, como a prática de exercícios, alimentação saudável e horas suficientes de sono; mentais, processando e verbalizando seus sentimentos, suas visões de mundo; sociais, dedicando tempo a nutrir seus relacionamentos ou causas que acredita e até espirituais, praticando yoga ou meditação. É você quem decide por onde começar, o importante é dar esse passo.

A psicóloga Patricia Fighera, que atua na área de Talentos Humanos da empresa Mercur, ressalta que é importante enxergar corpo e mente de maneira unificada. “Quando falamos de ser integral, fatores emocionais e físicos se relacionam. Somos a união de todas as dimensões que fazem parte de nós, físicas, mentais, espirituais, sociais. A busca do autocuidado se dá quando conseguimos considerar a integralidade do ser. Por isso, ao cuidar do corpo, estamos contribuindo com a saúde da mente e vice-versa”, destaca. 

Ela ressalta que o primeiro passo para conseguir conciliar uma rotina de autocuidado no dia a dia é ter consciência de si, das suas condições, para depois ser capaz de identificar as instâncias que precisam de cuidado e buscar as estratégias para lidar com elas. “No momento em que eu me (re) conheço de verdade, eu priorizo o cuidado comigo”, ressalta.

Já no que diz respeito ao físico, o fisioterapeuta Régis Severo aposta na prevenção e no cuidado frequente. Ele considera que recursos simples, de fácil utilização e que podem ser inseridos na rotina de maneira prática ajudam a manter o compromisso com a saúde. “Consultas periódicas não funcionam, não alcançam o objetivo almejado nos tratamentos se fora do consultório do profissional que está orientando aquele processo a pessoa não investe no seu bem maior: o próprio bem-estar”.

Caminhar, andar de bicicleta e praticar algum esporte com regularidade são dicas do profissional. Outra prática simples recomendada por ele é o uso das Faixas Elásticas para Exercícios que são leves, fáceis de usar e de transportar. Elas permitem realizar diferentes tipos de exercícios, auxiliam no fortalecimento e resistência dos músculos, na melhora da coordenação motora e habilidades funcionais e no auxílio do aumento da mobilidade, flexibilidade e força em casos de prevenção e reabilitação de lesões, treinamento esportivo, condicionamento físico e tratamento pós-operatório. “Quando temos recursos simples, de fácil uso, conseguimos encorajar a pessoa a fazer sua parte durante um processo de reabilitação, por exemplo”, comenta.

Educar em Saúde significa buscar desenvolver nas pessoas o senso de responsabilidade por sua própria saúde e pela saúde das pessoas queridas e da comunidade em que vive.

Podcast: Para quem quiser se aprofundar no assunto do protagonismo na saúde, pode ouvir a quarta edição do podcast Papo Mercur.  Nele, o fisioterapeuta que atua na área de Inovação da Mercur Regis Severo e a psicóloga que atua na área de Talentos Humanos da Mercur Patricia Fighera refletem sobre o quanto é essencial cuidar da gente mesmo e ser protagonista da nossa própria saúde. Ouça agora: https://soundcloud.com/mercuroficial/papomercur04 

Na tentativa de evitar problemas de saúde devido aos efeitos colaterais de medicamentos durante o exercício, pesquisas com intervenções não-farmacológicas são um tema apropriado para ser explorado em pessoas que treinam frequentemente e para quem pretende iniciar um hábito mais frequente de exercícios.

 

Um composto promissor que tem recebido atenção é o abacate (Persea americana). Ácidos fenólicos e flavonóides foram encontrados em sementes de abacate, sugerindo um efeito de suporte na saúde cardiovascular.

Na tentativa de evitar problemas de saúde devido aos efeitos colaterais de medicamentos durante o exercício, pesquisas com intervenções não-farmacológicas são um tema apropriado para ser explorado em pessoas que treinam frequentemente e para quem pretende iniciar um hábito mais frequente de exercícios.

Um composto promissor que tem recebido atenção é o abacate (Persea americana). Ácidos fenólicos e flavonóides foram encontrados em sementes de abacate, sugerindo um efeito de suporte na saúde cardiovascular.

O estudo publicado na Scientific Reports teve como objetivo analisar os efeitos da ingestão de cápsulas de abacate antes do esforço sobre a recuperação após exercício, um procedimento que fornece estimativa acerca do risco do indivíduo sofrer complicações cardiovasculares. A pesquisa foi conduzida pelo Centro de Estudos do Sistema Nervoso Autônomo, da UNESP de Marília.

O estudo é um ensaio clínico, randomizado, duplo-cego e controlado por placebo, na intenção de fornecer maior confiabilidade nos resultados.

Foram analisados 16 mulheres. O cálculo estatístico indicou significância para essa amostra para uma população de mulheres entre 18 e 23 anos sem doenças.

Assim, as voluntárias foram excluídas caso apresentassem distúrbios cardiorrespiratórios, neurológicos, musculoesqueléticos, renais, metabólicos, endócrinos e outros problemas relatados que proibiam a conclusão bem-sucedida dos protocolos, os indivíduos em uso de medicamentos e tabagismo. Além disso, as voluntárias não participaram caso estivessem entre o 10º e 15º dias e entre o 20º e 25º dias do ciclo menstrual, a fim de evitar influência da fase lútea e folicular, respectivamente. Foram excluídas voluntárias sedentárias, inadequadamente ativas ou hiperativas avaliadas de acordo com o Questionário Internacional de Atividade Física.

O grau de estresse do corpo foi mensurado por meio da atividade eletroquímica da pele, ritmo do coração e pressão arterial.

leia mais: universoracionalista.org

fonte: Universo Racionalista

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Leia mais

Política de privacidade e cookies