fbpx

ronco

Cerca de 50% dos brasileiros tiveram o sono afetado desde o início da pandemia1. Nos Estados Unidos, os problemas recorrentes de noites mal dormidas, causam uma perda anual de mais de R$ 100 bilhões de reais1. As pessoas com insônia crônica são menos produtivas e têm um desempenho pior que as que dormem bem. Estima-se que os prejuízos em torno dessa baixa produtividade sejam de cerca de R$ 4 mil por funcionário, segundo estudo2 norte-americano publicado na revista científica Sleep.

Pesquisas mostram como a doença interfere na produtividade do profissional

Não apenas a privação, mas a baixa qualidade do sono pode afetar as funções cognitivas do indivíduo. Diversos distúrbios podem ser a causa de noites mal dormidas. A apneia está entre eles. Em um estudo amostral em indivíduos com acesso a rede de saúde, mais de 80% dos afetados pela apneia do sono nunca haviam sido diagnósticados3. A estimativa atual é de que 936 milhões de pessoas sejam acometidas pela apneia do sono em todo o mundo4. Ela produz uma redução na efetividade do sono, gera sonolência diurna e pode ter um impacto similar sobre a produtividade.

Entre os fatores de risco para apneia obstrutiva do sono podemos listar sobrepeso e obesidade, circunferência cervical aumentada, sexo masculino, meia-idade, diagnóstico de hipertensão arterial, uso de álcool ou medicações sedativas, anormalidades na via aérea, ronco e histórico familiar prévio5, embora muitos pacientes recém-diagnosticados sejam mulheres. 

O uso de terapia com pressão positiva contínua nas vias respiratórias (CPAP) durante o sono é o tratamento padrão para essa condição. “A utilização é feita adaptando-se uma máscara ao rosto, por onde é administrado um fluxo de ar que vai permitir a respiração normal. O bom resultado dependerá do comprometimento do paciente com o tratamento”, diz Fernanda Murakami, líder em inovações clínicas da ResMed LATAM.


Referências:

  1. Correio Braziliense 2011. Available at: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2011/10/02/interna_ciencia_saude,272253/pesquisa-revela-que-insonia-afeta-produtividade-profissional-e-vida-pessoal.shtml
  2. Kessler RC et al. SLEEP 2011. Available at: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21886353/
  3. Young T et al. SLEEP 1997. Available at: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9406321/
  4. Benjafield AV et al. Lancet Resp Med 2019. Available at: https://www.thelancet.com/journals/lanres/article/PIIS2213-2600(19)30198-5/fulltext
  5. American Association of Sleep Medicine. Available at: https://sleepeducation.org/sleep-disorders/sleep-apnea/
  6. ResMed. Available at: https://www.resmed.com.br/apneia/opcoes-treatment
Aquele barulho produzido pelo seu parceiro quando está dormindo e não te deixa pregar os olhos pode não ser um mal apenas ao casamento, mas também à saúde de quem o emite.  Isso porque o ronco pode ser indício de apneia ? pausa respiratória que ocorre durante o sono. E é aí que mora o perigo.
 
 
O ronco, segundo especialistas, é considerado apenas uma doença social. Já a apneia é um fator de risco para doenças cardiovasculares e até Alzheimer ou perda de memória. Mas é importante lembrar que nem todo roncador sofre de apneia.
 
“O ronco ocorre quando a via aérea está estreitada; já na apneia ela está totalmente fechada. Há uma má oxigenação do cérebro, que aumenta os riscos de infarto, AVC (Acidente Vascular Cerebral). Anos e anos de apneia também podem levar à perda de memória e ao Alzheimer”, observa o médico Gilberto Sitchin, especialista em sono do Instituto Paulista de Otorrinolaringologia.  
 
A estimativa é de que 25% dos homens e 15% das mulheres ronquem ou apresentem apneia. Os ruídos noturnos são mais comuns entre os obesos e se tornam mais frequentes à medida que a idade aumenta.
 
“Nestes casos há um aumento da flacidez dos tecidos do pescoço e da orofaringe”, observa o médico Arthur Castilho, otorrinolaringologista do Hospital das Clínicas da Unicamp.
 
Sitchin afirma que, além da observação do parceiro sobre o “roncador”, ter sono durante o dia e acordar com a sensação de cansaço também podem ser sintomas de apneia.
 
“Quem sofre de apneia não tem um sono mais profundo e restaurador, por isso costuma apresentar um quadro de sonolência diurna excessiva”, explica.  O médico ressalta que a gravidade do problema é diagnosticada com uma polissonografia, um exame que faz um registro do sono habitual.
 
Tratamentos
 
O tratamento indicado para ronco e apneia do sono depende das causas. Quando o motivo é a obstrução nasal, tratamento de rinite e cirurgia para correção do septo nasal são opções para dar fim ao ruído noturno. Pacientes com amígdalas grandes também podem tê-la extraída.
 
Já se a causa é a flacidez do céu da boca, técnicas de enrijecimento e o uso de um aparelho de radiofrequência no local podem ajudar. “Entretanto, o ronco dificilmente tem apenas um único motivo. É preciso investigar”, diz Sitchin.
 
Há ainda a opção de tratamento com laser, mas, segundo os especialistas, esta técnica causa dores aos pacientes para se alimentar e até respirar. “Há várias técnicas para diminuir o tamanho do palato (céu da boca) ou aumentar a rigidez. Usar o laser para fazer uma destas duas coisas é viável, mas é cada vez menos usado, pois a dor pós- operatória é intensa”, explica Castilho, reforçando que a radiofrequência tem sido a opção mais usada pelos médicos.
 
Perda de peso
 
Em outros casos, a indicação médica é a perda de peso e o uso de aparelhos intraorais, feitos sob medida por dentistas especialistas em ronco. “O paciente dorme com o queixo meio centímetro à frente. Tem um efeito bom e é confortável”, diz Sitchin.
 
Para os casos mais graves, no entanto, a saída é o uso contínuo do CPAP (na sigla em inglês, Continuous Positive Airway Pressure), um compressor que fornece um fluxo de ar contínuo de ar ao paciente durante o sono.  
 
Vale lembrar que é normal roncar ao dormir de costas, pois a musculatura fica flácida e a língua cai um pouco para trás. Por isso, uma simples mudança de posição pode eliminar o ruído. Evitar bebidas alcoólicas e se alimentar duas horas antes de dormir são fundamentais para uma noite de sono em silêncio.
 
Fonte: Uol

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Leia mais

Política de privacidade e cookies