fbpx

dicas

O aumento da temperatura no verão sobrecarrega a circulação. E quem tem varizes sabe: é uma época em que o desconforto aumenta, com aquela sensação de peso e cansaço nas pernas e pés.

Segundo o médico cirurgião Breno Caiafa, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV-RJ), no calor podem ocorrer “dores nos membros inferiores, inchaço, sensação de peso, câimbras associadas ao ressecamento da pele, coceira e ardência, principalmente se a pessoa já tem doença vascular prévia como varizes dos membros inferiores”.

A aposentada Sônia Maria Faria Novaes, de 69 anos, sente o problema na pele. Com varizes há mais de dez anos, ela já sabe que, quando o clima esquenta, o incômodo vai ser ainda maior.

— No verão a gente sofre, é muito ruim esse calorão para quem tem problema. Minha concentração maior é no pé e no tornozelo e essa região incha e incomoda muito, até para andar — conta.

Para lidar com o problema, ela já conhece as dicas: colocou dois tocos de madeira no pé da cama e dorme com ela um pouquinho inclinada para levantar pernas e pés. Também prefere usar tênis a sapatilhas e chinelos e, por orientação médica, toma todos os dias o seu remédio.

Caifa reforça a importância de ter um acompanhamento com médico angiologista ou cirurgião vascular. Ele pode receitar o melhor medicamento para controle das varizes, avaliando também a possibilidade de algum tratamento específico e até cirurgia. Também orientará sobre o uso de meias elásticas e pode dar dicas para diminuir o desconforto.

Fernanda Frederico, cirurgiã vascular da Clínica Leger, explica que as varizes são veias dilatadas e tortuosas que se desenvolvem mais frequentemente nos membros inferiores. O surgimento delas tem um fator hereditário importante, e a doença pode ser agravada por certos hábitos de vida como, por exemplo, sedentarismo.

Estudos nacionais mostram que 37,5% da população apresenta varizes. Elas surgem mais frequentemente a partir dos 30 anos e vão ficando mais frequentes com o envelhecimento. É quatro vezes mais comum nas mulheres do que nos homens.

Dicas para evitar que o problema se agrave

Hidratação e exposição ao sol

Mantenha uma boa hidratação e modere o consumo de sal. Além disso, evite expor as pernas ao sol e aplique filtro solar se o fizer. No final do dia, faça massagem de baixo para cima com um creme frio.

Caminhadas e controle de peso

Coloque os pés para cima por alguns minutos, movendo-os constantemente. Realize caminhadas e exercícios físicos com supervisão médica. Também é preso controlar o peso e manter dieta rica em fibras.

Varie posição

Os médicos alertos que a pessoa não deve ficar muito tempo em pé ou sentado. Também alertam que o uso de cintas abdominais apertadas podem resultar em varizes. Prefira e meias elásticas, principalmente se for ficar muito tempo em pé.

Uso de remédios

Evite pílula anticoncepcional caso haja predisposição genética. Para melhorar a circulação, deite com as pernas levantadas acima do nível do coração por 30 minutos, 3 vezes por dia

Sob prescrição médica, faça uso de medicamentos para controle das varizes.

Longas viagens

Em viagens com mais de quatro horas, pare, ande e movimente pernas e pés

No avião ou no ônibus, caminhe pelo corredor, movimente joelho, panturrilha, tornozelo e dedos dos pés, beba bastante água, evite roupas apertadas, utilize meias compressivas e não cruze ou sente sobre as pernas.

Fonte: extra.globo.com

Já se sabia que esse tecido adiposo ajuda a queimar calorias. Agora, pesquisadores estadunidenses descobriram que ele protege contra doenças cardiovasculares e metabólicas, como hipertensão e diabetes. Efeito poderá ser explorado em novas opções terapêuticas.

A gordura marrom é aquele “tecido mágico” que todo mundo gostaria de ter mais. Ao contrário da branca, que armazena calorias, ela queima energia, e os cientistas esperam que seja a chave para novos tratamentos contra a obesidade. Mas não está claro se as pessoas com grande quantidade de gordura marrom realmente são mais saudáveis. Por um lado, tem sido difícil até mesmo identificar esses indivíduos, já que a substância está escondida bem no fundo do corpo.

Agora, um novo estudo publicado na revista Nature Medicine oferece fortes evidências de que a gordura marrom está associada a uma saúde melhor. Entre mais de 52 mil participantes, aqueles que tinham esse tipo de tecido adiposo detectável eram menos propensos do que os demais a sofrerem de complicações cardíacas e metabólicas, que variam de diabetes tipo 2 a doença arterial coronariana, que é a principal causa de morte no mundo.

O estudo, o maior do tipo realizado em humanos, confirma e expande os benefícios à saúde da gordura marrom sugeridos por pesquisas anteriores. “Pela primeira vez, ele revela uma ligação para diminuir o risco de certas condições”, diz Paul Cohen, professor-assistente e médico do Hospital da Universidade Rockefeller, nos Estados Unidos. “Essas descobertas nos deixam mais confiantes sobre o potencial de direcionar a gordura marrom para benefícios terapêuticos”.

Em pet scan, é possível ver que a pessoa da esquerda tem mais gordura marrom que a da direita – (crédito: Andreas G. Wibmer e Heiko Schöder/Divulgação)

Queima de calorias

Embora a gordura marrom tenha sido estudada por décadas em recém-nascidos e animais, foi apenas em 2009 que os cientistas perceberam que ela também pode ser encontrada em alguns adultos, geralmente em volta do pescoço e ombros. A partir de então, os pesquisadores se esforçaram para estudar essas células de gordura que têm o poder de queimar calorias para produzir calor em condições de frio.

Estudos em grande escala sobre a gordura marrom, no entanto, têm sido praticamente impossíveis porque esse tecido aparece apenas em exames de PET scan, um tipo especial de imagem médica. “Esses exames são caros. Mas, o mais importante, eles usam radiação”, explica Tobias Becher, o primeiro autor do estudo e ex-bolsista clínico no laboratório de Cohen. “Não queremos sujeitar muitas pessoas saudáveis a isso”, completa.

Becher propôs uma alternativa. Do outro lado da rua de seu laboratório, muitos milhares de pessoas visitam o Memorial Sloan Kettering Cancer Center todos os anos para se submeter a exames PET para avaliações oncológicas. O cientista sabia que, quando os radiologistas detectam gordura marrom nesses exames, eles rotineiramente a anotam para ter certeza de que não ela não será confundida com um tumor. “Percebemos que esse poderia ser um recurso valioso para começarmos a observar a gordura marrom em uma escala populacional”, diz.

Em colaboração com Heiko Schoder e Andreas Wibmer, no Memorial Sloan Kettering, os pesquisadores analisaram 130 mil tomografias PET de mais de 52 mil pacientes e descobriram a presença de gordura marrom em quase 10% dos indivíduos. Cohen observa que esse número, provavelmente, está subestimado, porque os pacientes foram instruídos a evitar exposição ao frio, exercícios e cafeína — condições que parecem aumentar a atividade da gordura marrom.

Redução de riscos

Várias doenças comuns e crônicas foram menos prevalentes entre as pessoas com gordura marrom detectável. Por exemplo, apenas 4,6% tinham diabetes tipo 2, em comparação com 9,5% das pessoas que não a tinham detectável. Da mesma forma, 18,9% apresentavam colesterol anormal, contra 22,2%. Além disso, o estudo revelou mais três condições para as quais as pessoas com esse tipo de tecido adiposo têm menor risco: hipertensão, insuficiência cardíaca congestiva e doença arterial coronariana — ligações que não haviam sido observadas em estudos anteriores.

Outra descoberta surpreendente foi que a gordura marrom pode atenuar os efeitos negativos da obesidade. Em geral, obesos apresentam risco aumentado de doenças cardíacas e metabólicas, mas os pesquisadores descobriram que, entre pessoas com peso acima do saudável e com gordura marrom, a prevalência dessas condições era semelhante à de pessoas não obesas.

Mais estudos

Os verdadeiros mecanismos pelos quais a gordura marrom pode contribuir para uma saúde melhor ainda não estão claros, mas existem algumas pistas. Por exemplo, as células desse tipo de lipídio consomem glicose para queimar calorias, e é possível que isso reduza os níveis de glicose no sangue, um importante fator de risco para o desenvolvimento de diabetes.

O papel da gordura marrom é mais misterioso em outras condições, como a hipertensão, que está intimamente ligada ao sistema hormonal. “Estamos considerando a possibilidade de que o tecido adiposo marrom faça mais do que consumir glicose e queimar calorias. Talvez, realmente, ele participe da sinalização hormonal para outros órgãos”, diz Cohen.

A equipe planeja estudar mais a biologia da gordura marrom, inclusive procurando por variantes genéticas que possam explicar por que algumas pessoas têm mais esse tecido do que outras — primeiros passos potenciais para o desenvolvimento de formas farmacológicas capazes de estimular a atividade da gordura marrom para tratar a obesidade e condições relacionadas. “A pergunta natural que todos têm é: ‘O que posso fazer para obter mais gordura marrom?’”, diz Cohen. “Não temos uma boa resposta para isso ainda, mas é um campo estimulante para os cientistas explorarem nos próximos anos.”

Aprenda hábitos simples que podem mudar os seus dias para melhor em 2021!

Embora 2020 tenha sido desafiador, o novo ciclo que se inicia hoje pode ser uma oportunidade de tornar a sua vida mais saudável e feliz, mental e fisicamente. Para te ajudar nessa conquista, a terapeuta ortomolecular e especialista em emagrecimento Edivana Poltronieri indica abrir mão das listas de resoluções para se concentrar em fazer apenas uma coisa: transformar 2021 no ano da sua vida. Para isso, ela lista 5 passos simples que farão toda a diferença – para colocar em prática desde já. Confira!

Dicas para tornar o seu Ano Novo mais feliz

Crie um diário de elogios

“Anote tudo o que te deixou feliz em um momento do dia, que pode ser desde uma sensação até grandes ou pequenas conquistas”, diz a profissional. Outra opção é recorrer às notas manuscritas para escrever frases positivas ou trechos de músicas: “Cada vez que você olhar para esses recadinhos, vai se sentir mais alegre, positiva e motivada”.

“Alimentação, sono e exercícios são fatores fundamentais para manter o bom funcionamento físico e mental. Para ajustar cada uma dessas áreas em 2021, comece optando por menos embalagens e mais produtos para descascar, ou seja, menos guloseimas e mais comida saudável”, aconselha.

Sobre o sono, Edivana recomenda: “Procure dormir entre 6h e 8h por dia no escuro total e sem barulho. Isso vai repor as energias, regular as funções do corpo e ajustar os níveis de cortisol no sangue, que é o hormônio relacionado com o estresse”. A terapeuta ressalta que ter uma alimentação e um sono de qualidade e praticar atividades físicas diárias proporcionará mais disposição e bom humor.

“Conecte-se ao que importa. Passe menos tempo no celular e aproveite as horas para interagir com família e amigos”, indica a profissional. Ela também reforça a importância de controlar vícios como o fumo e a bebida alcoólica: “Tentar diminuir a quantidade de cigarro e álcool já é um grande passo para um ano mais leve e com mais saúde”.

Aprenda uma nova habilidade

Poltronieri explica que o cérebro é como um músculo e precisa ser exercitado para permanecer saudável: “A melhor maneira para isso é aprender coisas novas. Enquanto se aprende algo novo, a área do cérebro conhecida como ‘o centro da novidade’ acende e responde aos novos estímulos, mantendo-nos mais felizes. Além disso, essas novidades diminuem as chances de doenças neurológicas, como o Parkinson”.

Pratique a gentileza

Por fim, a especialista indica não abrir mão das boas práticas. “Especialmente nesse período de isolamento, ser gentil e mostrar que se importa fará toda a diferença no seu dia e no do próximo”, finaliza.

Fonte: Revista Malu (para ler a edição completa, acesse o GoRead aqui) | Edição: Mariana Oliveira e Renata Rocha

Conquiste o bem-estar com uma dieta balanceada e rica em nutrientes!

Uma forma deliciosa e funcional de enfrentar o estresse e a inquietação é acrescentando ao seu cardápio alguns alimentos que ajudam a combater a ansiedade. Poderosos para a saúde da mente, eles minimizam alguns dos sintomas provenientes dessa patologia – que já atinge mais de 13,2 milhões de pessoas apenas no Brasil.

Entre tantas opções, a nutricionista Paula Castilho e médica ortomolecular e nutróloga Tamara Mazaracki ressaltam que priorizar alguns nutrientes é a chave para o sucesso: “Um dos principais aliados para controlar o transtorno é o magnésio, mineral encontrado em vegetais de cor verde-escura, cereais, peixes e oleaginosas. Alimentos que aumentam os níveis de serotonina também devem ganhar destaque à mesa, já que estimulam o bem-estar e a felicidade”.

As especialistas ainda explicam que o consumo dos alimentos contra ansiedade deve ser feito de forma equilibrada e distribuída ao longo da semana. “Opte por enriquecer cada prato, variando de refeição para refeição. Assim, você tem uma dieta balanceada e com todos os nutrientes necessários”, diz Tamara. É importante lembrar que a alimentação é a base de tudo, mas não dispensa tratamento médico e psicológico em casos de transtornos e distúrbios, sendo complementares. Confira!
 

Alimentos contra ansiedade para incluir no cardápio

Chocolate amargo

É um dos melhores alimentos contra ansiedade e estresse. “Diversos estudos comprovam que o chocolate ajuda a aliviar os sintomas, por ser rico em triptofano, magnésio e flavonoides. Ele também age de uma maneira muito positiva em mulheres na fase da tensão pré-menstrual”, afirma Paula. Na hora de consumir, priorize os tipos meio-amargo e amargo, com pelo menos 50% de cacau.

Antigamente, era apontado como vilão por conter colesterol. Porém, estudos comprovaram que os ovos possuem muitas substâncias positivas para a saúde. “São ricos em colina, substância que está diretamente ligada à melhora da depressão e da insônia, além de proteínas e vitamina B12”, pontua Tamara.

Chás

Erva-cidreira, valeriana e camomila são algumas das ervas que possuem efeito relaxante. As folhas de maracujá também estão entre os alimentos contra ansiedade, já que possuem substâncias com atividade sedativa, calmante e analgésica.

Castanha-do-Pará

Contém selênio, um oxidante poderoso que auxilia no funcionamento do sistema nervoso e, por isso, ajuda a combater a ansiedade.

Abacate

Rico em gorduras boas, que previnem o acúmulo do colesterol ruim (LDL) no sangue. O abacate ainda controla os níveis de cortisol, hormônio ligado ao nervosismo, irritabilidade e estresse. Vale ressaltar que seu consumo deve ser moderado por conter uma grande quantidade de calorias.

Agrião

É um vegetal rico em iodo, ferro, enxofre, fósforo, vitaminas A, C, E e do complexo B. Seus nutrientes são importantes para o funcionamento correto da glândula tireoide, evitando a fadiga e ajudando na manutenção da saúde da pele e na formação dos ossos e dentes.

Alface

Contém lactucina e lactupicrina, substâncias que acalmam e aliviam a insônia e a irritação. Além de outros nutrientes como potássio, fosfato e vitamina K que, em falta no organismo, podem causar depressão, confusão mental e cansaço.

Arroz integral

Leite e derivados magros

Aliados do bom funcionamento do sistema nervoso, o leite e seus derivados sem excesso de gordura, como o iogurte e o queijo branco, são fontes de vitaminas do complexo B.

Aveia

Devido ao alto teor de fibras, a aveia diminui a concentração de açúcar no sangue, reduzindo também o hormônio insulina. Ela sinaliza ao corpo para minimizar a produção do hormônio do estresse (cortisol), além de ser rica em vitaminas do complexo B que protegem contra o dano causado nos neurônios. Durante momentos emocionais conturbados, o corpo usa nosso estoque de zinco, no qual a aveia é uma ótima fonte. Seu carboidrato complexo promove energia de prazer ao cérebro, diminuindo a ansiedade.

Banana

A banana é indicada como um dos alimentos contra ansiedade devido à presença de triptofano, um aminoácido precursor da serotonina.

Brócolis

Fonte de cálcio, vitamina K, potássio, vitamina C e sulfurafano, um poderoso antioxidante. O brócolis é um belo representante da família dos glicosinolatos, compostos para prevenção do câncer de intestino, de próstata e de mama. Além disso, é importante para o controle do estresse, uma vez que auxilia na regulação da pressão sanguínea e também tem propriedades anti-inflamatórias que ajudam no relaxamento dos músculos do coração.

Ostras

“Algumas pesquisas correlacionam o desequilíbrio entre cobre e zinco como um dos fatores desencadeadores de ansiedade. Esses minerais agem sobre o neurotransmissor ligado ao estresse. As ostras são alimentos bastante ricos nesses nutrientes, diminuindo os sintomas ansiosos”, explica a nutróloga.

Açafrão da Terra (cúrcuma)

Fonte de ferro, manganês, potássio e vitamina B6, a cúrcuma é um poderoso anti-inflamatório natural, tornando-se indispensável para combater o estresse.

Espinafre

Contém potássio, ácido fólico, magnésio, fosfato e vitaminas A, C e do complexo B. É eficaz no combate à depressão e garante o bom funcionamento do sistema nervoso.

Couve

É rica em vitamina A (ótima para a vista e para a pele), vitamina C, K e algumas do complexo B. Também é fonte de cálcio, oferecendo tanto quanto o leite; fósforo e ferro, minerais muito importantes para a formação e manutenção dos ossos e dentes. Além disso, contém bastante celulose, uma substância boa para o funcionamento do intestino.

Rúcula

Tem grande quantidade de vitaminas A e C, potássio, enxofre e ferro. Exerce uma função especial sobre o funcionamento do intestino, atuando como anti-inflamatório. Possui ainda cálcio e outros minerais como ferro, fósforo, potássio, sódio, manganês e magnésio.

Escarola

Rica em fibras, a raiz da escarola tem uma substância chamada inulina, de efeito probiótico, que estimula a produção de bactérias benéficas que vivem no trato intestinal. É ótima fonte das vitaminas antioxidantes C e E, de vitaminas B e de minerais como cálcio, potássio, fósforo e ferro. É rica também em carotenoides.

Grão-de-bico

Fonte de fibras, magnésio, potássio, ferro, cálcio e triptofano, ele também auxilia na produção de serotonina pelo corpo humano. “A substância é produzida principalmente com a ingestão de carboidratos, pois estimulam a passagem do triptofano, diminuindo a ansiedade e promovendo a sensação de bem-estar”, relata a nutricionista.

Iogurte natural

O triptofano é o ingrediente para formar o hormônio do prazer e bem-estar, a serotonina. O cromo diminui a vontade de comer doces, muito presente em pessoas estressadas e ansiosas. O fósforo auxilia na produção de energia pelas células, aumentando a disposição e diminuindo o cansaço. Os probióticos são bactérias do bem que ajudam o intestino a absorver melhor os nutrientes da alimentação, melhoram a imunidade e também auxiliam na produção do hormônio do bem-estar e da felicidade.

Jabuticaba

Possui vitaminas B1 e B2, ferro e sais minerais. O ferro combate a anemia, enquanto as vitaminas do complexo B atuam como antidepressivas.

Laranja

Fonte de vitamina C, flavonoides e cálcio, ela beneficia o funcionamento correto do sistema nervoso. Suas folhas têm propriedades calmantes, por isso também é indicada para pessoas que sofrem de insônia.

Maçã

A maçã é fonte de fibras e antioxidantes. As fibras são responsáveis pela sensação de saciedade, fazendo com que a pessoa coma menos. Já os antioxidantes preservam a saúde das células.

Maracujá

Rico em vitamina C, fibras, potássio e pectina, carboidrato de cadeia complexa que funciona como um espessante natural e dá a sensação de saciedade quando ingerido. Seu suco age como calmante e é indicado para quem sofre com insônia.

Mel

Considerado um calmante natural, o mel está na lista dos alimentos para ansiedade porque estimula a produção de serotonina, responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

Melancia

Sementes de abóbora

Contém triptofano, magnésio, proteínas e ômega 3, zinco e ferro. O triptofano auxilia na diminuição da ansiedade e na modulação do sono, promovendo um relaxamento. Já o magnésio potencializa o relaxamento, além de atuar nas enzimas do corpo contribuindo para gerar a sensação de tranquilidade. Por também conter ferro e proteínas, as sementes aumentam a disposição e a energia para o dia a dia.

Tomate

Presença garantida no prato de muitos brasileiros, o tomate está entre os alimentos para ansiedade pois contém diversos sais minerais como ferro, fósforo e manganês, além de vitaminas A, C e do complexo B, que agem como antidepressivos.

Coco

O TCM, uma das gorduras do coco, é responsável por diminuir a ansiedade por meio do controle hormonal. O potássio e o magnésio fazem a comunicação entre os neurônios responsáveis pelo pensamento e os neurônios motores, responsáveis pelos movimentos; dessa forma, melhoram a agilidade nas atividades, diminuindo a fadiga e o cansaço crônicos.

Carnes ou proteínas vegetais

Os diferentes tipos de carne auxiliam no funcionamento de todo o corpo, por conta da proteína. Ela está presente, por exemplo, nos nossos músculos, enzimas e hormônios. Na hora de combater a ansiedade, opte pelas carnes magras, pelos peixes e frutos do mar. No caso das vegetarianas e veganas, é importante consumir a quantidade proteica ideal diária da mesma forma, por meio de fontes vegetais como grão-de-bico, lentilha, soja, feijão e etc. Consulte um nutricionista ou nutrólogo!

Consultoria: Paula Castilho, nutricionista; Tamara Mazaracki, nutróloga e médica ortomolecular | Edição: Mariana Oliveira e Renata Rocha

Fonte: terra.com.br

No último relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil figurou entre os países com maior índice de ansiedade e depressão. Um dado que mostra quão importante é a preocupação em trabalhar uma boa saúde mental.

Assim como exercícios físicos têm impactos positivos em questões cardiológicas, de circulação e ortopédicas, há muitos hábitos diários que podem reverberar de forma benéfica na saúde da nossa mente. Confira sete hábitos que fazem toda a diferença para manter a mente sã.

1) Evite fazer comparações sociais: Na prática, é se perceber único (a) na relação com o outro, nem mais, nem menos, nem melhor ou pior. A pessoa consciente da sua unicidade amplia a autorresponsabilidade e se compromete a transformar o próprio caos em ordem.

2) Treine, identifique e avalie os pensamentos: O que você pensa influencia o que você sente e faz. A questão é que, às vezes, o pensamento contém distorções, falhas cognitivas ou erros de lógica. Não aceite qualquer coisa que passe pela sua cabeça como sendo 100% verdadeira. Examine as evidências e verifique se o seu pensamento realmente condiz com a realidade a fim de responder, nas esferas emocional e comportamental, de uma forma mais adaptativa.

3) Foque na autocompaixão e não só na autoestima: Autoestima não é gostar de si. É cuidar de si para gostar de si. Já a habilidade de ser autocompassivo vai além da autoestima e pode ser treinada. A autocompaixão é o que nos permite enfrentar os desafios nos sentindo à altura deles. É a capacidade de valorizar o próprio tempo e presença, mesmo quando não se obtém o resultado pretendido.

4) Aprenda a manter-se conectado com a vida: A pessoa que sofre de depressão está totalmente desconectada com a vida, com suas belezas e mistérios. Mas todos nós podemos nos desconectar, de forma parcial, em algum momento do dia. O estresse e ansiedade podem nos visitar sem interromper a conexão com a vida. Para isso, é preciso aprender a viver no entorno da dor ao invés de nos concentrarmos nela o tempo todo.

5) Pratique a flexibilidade: A flexibilidade cognitiva e comportamental, que parece representar a simples capacidade de mudar de opinião e de atitude, pode significar uma autotransformação maior. Flexibilidade significa trocar de lugar com aquele a quem julgamos “certo”, “errado”, “bom”, “mau”, “adequado”, “inadequado”. Significa desaprender conceitos e ir além dos que os outros pensam de você para atrever-se a ser quem realmente se é.

6) Expresse gratidão: Mérito é o exercício que fazemos para enxergar a graça. Tudo é graça: a experiência renovada a cada manhã, a dádiva de respirar, de realizar movimentos (no corpo e na alma), enxergar as cores, ouvir os sons, sentir os gostos e os abraços. Expressar gratidão e enxergar a graça é uma questão de percepção. Os nossos comportamentos relacionam-se mais com a forma como percebemos as situações (construção da realidade) do que com a realidade em si.

7) Aprenda a perdoar: “Não errasse o sol por toda a noite, como poderia ser o mundo iluminado a cada nova manhã? ” Rumi (1207-1273). O acerto e o erro são interagentes, faces de uma mesma moeda, dois aspectos diferentes da aprendizagem. Ambos são significativos na medida que têm algo a nos dizer. E cada experiência cotidiana pode estar comprometida em respeitar e incorporar esses dois fenômenos na busca pelo conhecimento mais profundo de si mesmo e do outro.

Fonte: Lidiane Passos Pontes é psicóloga, graduada pela Universidade Veiga de Almeida, UVA-RJ, com formação em Terapia Cognitivo-Comportamental pelo Centro de Psicologia Aplicada e Formação, CPAF-RJ e pós-graduação em Gestão de Relações Humanas pela PUC-GO. Atende pela plataforma on-line Zenklub

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Leia mais

Política de privacidade e cookies