fbpx

Crimes Cibernéticos

A partir deste mês, os aposentados e pensionistas não precisam mais fazer a prova de vida presencialmente nos bancos onde recebem o benefício. Com a nova portaria, assinada pela Presidência da República, a prova de vida poderá ser feita pelo cruzamento de dados dos Governos Federal, Estaduais e Municipais, além de instituições privadas. A medida facilitará principalmente os beneficiários com problemas de locomoção, e é um avanço para a garantia de continuar a receber o benefício frente as medidas de prevenção do Coronavírus.

É extremamente importante seguir com as recomendações para evitar ataques de invasão a aparelhos com dados pessoais e acesso à internet, como celulares, tablets, computadores e outros dispositivos

A medida beneficiará todos os aposentados e pensionistas. No entanto, este público é um dos alvos mais crescentes dos criminosos cibernéticos. Segundo o INSS, o Brasil tem cerca de 36 milhões de aposentados e pensionistas, aproximadamente cinco milhões deles com mais de 80 anos. Por isso, é extremamente importante seguir com as recomendações para evitar ataques de invasão a aparelhos com dados pessoais e acesso à internet, como celulares, tablets, computadores e outros dispositivos.

Luli Rosenberg é formado em Combate a Crimes digitais e Perícia Forense Digital pelo IFCI (EUA), também é membro de fóruns internacionais de hackers éticos e palestrante de cibersegurança ofensiva e defensiva. O especialista recomenda que seja repensada a segurança de idosos nos dias atuais, principalmente por conta do impacto que isso pode trazer para o recebimento dos benefícios do INNS. Algumas das principais orientações são:

Exposição de dados

É bastante comum pessoas deixarem senhas e informações pessoais com o computador aberto, assim como as câmeras de diversos dispositivos ficam cada vez mais tempo ativadas e selfies se proliferam nas redes sociais. “É justamente a busca por informações sensíveis, muitas vezes expostas desnecessariamente e por descuido, a primeira arma que o hacker tem. Dessa forma, ele pode não só encontrar dados confidenciais, como descobrir redes de relacionamento pessoal e profissional para enviar, por exemplo, um e-mail se passando por outra pessoa para infectar, roubar informações pessoais e controlar um computador”, alerta o especialista da CySource.

Aprimorar conhecimento sobre Segurança:

Apesar de já ser comum em alguns países, no Brasil ainda não vimos grandes campanhas de conscientização sobre cibersegurança para mostrar como acontecem os crimes virtuais. Com a falta de conhecimento, alguns ataques bastante populares como o phising, golpe que engana as vítimas com sites e aplicativos falsos, crescem cada vez mais. As tentativas nessa modalidade podem chegar por diversos meios, como SMS, e-mail, aplicativos de mensagens e falsas atualizações. Basta que a vítima clique em um link malicioso ou digite informações em uma página falsa para que o hacker consiga controlar a sua máquina. “Para evitar esse ataque, é fundamental analisar com atenção se a mensagem era esperada pelo remetente e se estava no prazo previsto. No caso de dúvidas, deve-se entrar em contato diretamente com o responsável pelo envio por meio de um outro canal de comunicação para confirmar a sua veracidade” recomenda Rosenberg.

Realizar as atualizações nos dispositivos: 

A maioria das pessoas não gosta de parar e esperar para fazer atualizações. Contudo, não atualizar softwares e smartphones facilita o caminho de possíveis invasores, já que as novas versões apresentam correções e melhorias relacionadas principalmente a segurança. Com bastante frequência um programa ou sistema operacional é lançado e, depois disso, são descobertas falhas de vulnerabilidades para possíveis ataques.  De acordo com o especialista da CySource, as atualizações têm a finalidade justamente de corrigir esses problemas. “Quando não se realiza atualizações de segurança nos sistemas, pode-se manter no seu ambiente vulnerabilidades já conhecidas e que podem ser exploradas mais facilmente por hackers mal-intencionados”, alerta.


Luli Rosenberg, Hakcer Ético e professor na CySource no Brasil, alerta para os cuidados que idosos devem ter para proteção de dados

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Leia mais

Política de privacidade e cookies