fbpx

covid

Mesmo ainda com muitos casos confirmados de COVID-19 aqui no Brasil, afetando parte das empresas com os desfalques de colaboradores, a Europa pode estar caminhando para ‘uma espécie final da pandemia’, baixando restrições e até dispensando uso de máscaras. Com isso, será que chegou a hora encararmos uma ‘vida normal’? Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira e bem-estar financeiro comenta sobre o desafio que as empresas enfrentam com a volta do trabalho presencial e ainda fala sobre o momento certo para organizar as finanças, tendo em vista as incertezas sobre os efeitos desta nova onda da pandemia.

O crescimento de casos tem levado a desfalques e muitas organizações se questionam sobre como proceder com as equipes para evitar a perda da produtividade.

De acordo com o Jornal EuroNews, o diretor regional da Organização Mundial da Saúde, Dr Hans Kluge, comentou sobre as variantes Ômicron e Delta onde afirmou que a pandemia está longe de terminar, mas o COVID pode se tornar uma doença sazonal nos próximos meses. “A variante Ômicron, que os estudos mostraram ser mais contagiosa que a Delta, geralmente leva a infecções menos graves entre as pessoas vacinadas, aumentou as esperanças de que o COVID está começando a mudar de uma pandemia para uma doença endêmica mais gerenciável, como a gripe sazonal”, disse Kluge, diretor regional da região europeia da OMS.

Portanto, mesmo com a maioria dos brasileiros vacinados com a dose de reforço e diante de tantas informações e também fake news a população tem ficado com receio de aos poucos irem voltando à normalidade, uma vez que as empresas estão precisando dos colaboradores mais perto, no formato híbrido ou mesmo de forma presencial. O crescimento de casos tem levado a desfalques e muitas organizações se questionam sobre como proceder com as equipes para evitar a perda da produtividade.

Para a especialista, as empresas e os colaboradores tiveram que se adaptar a uma forma nova de trabalho e muitos sofreram com isso. “Observo que nem as empresas como nem os próprios colaboradores estavam preparados para essa mudança de modalidade de trabalho, mas o que vimos é que esse é o futuro com todos seus benefícios e desafios. As empresas começam a entender que precisam investir na liderança e criar ambientes mais flexíveis e colaborativos para evitar o clima tenso nesse cenário de instabilidade”, comenta Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira e bem-estar financeiro.

Mas ainda é necessário lembrar que, diante do home office, há muitos profissionais sofrendo com os impactos que a pandemia trouxe: o burnout. Então, este é o momento em que as empresas precisam acender o alerta com a saúde mental dos colaboradores e medirem esse índice. Há inúmeras ferramentas para isso, bem como os indícios claros de esgotamento e dificuldades de gerir e participar de reuniões on-line, cumprir metas e entregar resultados.

Segundo uma pesquisa encomendada pela Microsoft realizada em oito países pela empresa de análises Harris, no fim de 2020 foram os brasileiros que relataram ter maior impressão de estarem sendo afetados pela síndrome de burnout: 44% dos participantes disseram que a pandemia aumentou a sensação de exaustão no trabalho. O motivo? O fato de estarem sempre on-line e sem perspectivas de encontros e rotinas próprias da vida profissional que são desempenhadas no dia a dia das equipes.

“O papel das empresas é repensar e inovar algumas rotinas e dar uma atenção especial também à saúde mental dos colaboradores. Nem sempre é fácil identificar precocemente um colaborador com síndrome de burnout, já que os primeiros sinais da doença não se manifestam de maneira intensa. Mas, dentre os variados sintomas apresentados pela doença, tendo como uma das principais consequências a queda de produtividade, é comum observar falta de concentração, sentimento de fracasso, insegurança e alterações repentinas de humor. Por isso, é de suma importância os líderes estarem preparados para lidar com essa situação”, revela Rebeca.

E já estamos no momento ‘certo’ para organizar melhor as finanças?

De acordo com a especialista Rebeca Toyama, todo momento é o certo para se iniciar algum tipo de cronograma de reserva ou até mesmo organizar algumas contas que estão em atraso e sair das dívidas, pois nunca é tarde para se mudar de hábito. A persistência da pandemia nos leva a pensar que é preciso estar preparado com o orçamento doméstico, as contas em dia e o planejamento em tempos de incerteza.

Quando se fala em finanças, pode-se trazer o tema bem-estar financeiro a fim de levar consciência e transformar a forma como as pessoas se relacionam com o dinheiro. Como se sabe, a população brasileira não tem o comportamento de poupar, e para se iniciar uma vida próspera, feliz e repleta de bem-estar se começa na mudança do estilo de vida e nos hábitos que as famílias têm com o dinheiro.

“Sim, esse pode ser o começo de um novo ano repleto de mudanças voltadas para o bem-estar pessoal e bem-estar financeiro. Uma nova variante ou a pandemia não podem ser desculpas para não organizar as finanças. O estresse financeiro traz para a vida das pessoas desconforto, cansaço físico e psicológico e ainda pode afetar e muito na área profissional. O que é necessário se modificar para melhorar as finanças é ter uma postura sustentável pois diversas vezes gastamos por impulso, especialmente nestes tempos fazendo do consumo uma desculpa ou válvula de escape”, finaliza Toyama.

Especialista em estratégia de carreira e bem-estar financeiro, traz algumas dicas para as empresas e para os profissionais lidarem com essa nova fase do trabalho híbrido, mantendo a saúde mental em dia.

Para empresas:

1- Não aguardem o momento ideal para cuidar de seus colaboradores, o melhor momento é agora, não sabemos quando o “normal” volta e nem qual seria esse “normal”;

2- Invistam na liderança, nos atuais e nos novos, líderes podem ser fonte de soluções quando preparados ou de problemas quando não preparados;

3- Aproveitem os desafios atuais para inovar e serem mais sustentáveis.

Para profissionais:

1- Não esperem a pandemia parar para cuidar de seu bem-estar e de suas finanças, a hora é agora!

2- Escolha um estilo de vida alinhado com seus objetivos pessoais, profissionais e financeiros;

3- Inclua em sua rotina hábitos que te aproximem de suas metas e exclua os hábitos que te afastam delas.


Sobre Rebeca Toyama

Rebeca Toyama é fundadora da ACI que tem como missão desenvolver competências dentro e fora das organizações para um futuro sustentável. Especialista em educação corporativa, carreira e bem-estar financeiro. Possui formações em administração, marketing e tecnologia. Especialista e mestranda em psicologia. 

Desde o fim de 2019, a palavra “pandemia” passou a ser muito utilizada, mas existe uma diferença entre ela e as outras expressões. É a Organização Mundial de Saúde (OMS) que determina a gravidade e se é uma ameaça mundial.

Um surto acontece quando existe um aumento dos casos da doença e pode ocorrer somente dentro de um bairro, por exemplo. Já no caso da endemia, ela ocorre quando a enfermidade é recorrente na região, mas não existe um aumento significativo de casos. 

A epidemia acontece quando a doença tem um aumento de casos muito acima do esperado em diversas regiões, porém sem atingir níveis globais. 

Enquanto isso, a pandemia ocorre quando a doença atinge proporções internacionais, com disseminação mundial. A pandemia pode surgir a partir de um surto ou endemia, quando se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa. O que vai diferenciar cada uma delas é a escala em que a doença se espalhou.

Algumas doenças que quase extinguiram a raça humana

  1. Peste bubônica

Conhecida também como peste, peste negra ou doença do rato, a peste bubônica é a mais comum entre as formas clínicas da peste, causada pela bactéria Yersinia pestis. Ela é uma doença infecciosa aguda transmitida por roedores, como os ratos e, principalmente, pela picada da pulga infectada.

Ela atingiu o continente europeu no século XIV e os primeiros casos no Brasil foram registrados em 1899, na cidade de Santos, em São Paulo. A partir daí, o número começou a crescer exponencialmente.  Para tentar controlar a doença, foi feito um sistema de isolamento na cidade. 

Em 1901, a peste negra já havia chegado à cidade de São Paulo e, então, o Instituto Butantan começou a produzir um soro antipestoso. Somente no ano seguinte, o Butantan iniciou a produção da vacina antipestosa, com o intuito de controlar a doença. 

Estima-se que a pandemia da peste negra se originou na Ásia e resultou na morte de, aproximadamente, 1/3 da população europeia. Entretanto, esse número pode ter sido muito maior. 

Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 20 anos, houve registro de apenas 1 caso no ano de 2005, no Ceará, na região Nordeste do Brasil. 

 

  1. Gripe espanhola

De acordo com a Fiocruz, a gripe espanhola aconteceu entre os anos de 1918 e 1920 e matou – aproximadamente – 50 milhões de pessoas, ¼ da população mundial na época. Já no Brasil, a doença chegou no final de 1918 e matou 40  mil brasileiros, em média.

Conhecida como “mãe das pandemias”, a gripe espanhola foi causada pelo vírus Influenza H1N1 e, apesar de não haver confirmação, registros indicam que se iniciou nos Estados Unidos. A referência à região espanhola se deve ao fato da Espanha promover uma forte divulgação do problema na imprensa.

A transmissão acontece pelo contato direto de pessoa para pessoa ao falar, tossir ou espirrar. A utilização de máscaras foi uma das medidas adotadas, além de ser feito também um isolamento como maneira de controlar a pandemia da gripe espanhola. Na época, ainda não existia vacina contra a doença. 

  1. Gripe suína

Uma nova cepa do vírus Influenza H1N1, o mesmo da gripe espanhola, foi a responsável pelo surto da gripe suína, também chamada “gripe A” e “gripe H1N1”. O México foi o primeiro país a identificar e notificar a existência desse novo surto.

Em 2009, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica esse surto como uma epidemia de emergência de saúde pública no âmbito internacional. Entretanto, apenas dois meses depois, foi notificado que a doença havia se espalhado por mais de 75 países de todos os continentes, sendo, então, decretado estado de pandemia.

Em maio do mesmo ano, a doença chegou ao Brasil se concentrando, inicialmente, nas regiões Sul e Sudeste, de acordo com a Fiocruz.

Em 2009, no Brasil, foram 46.100 casos graves e 2.051 óbitos. Em 2010, o governo iniciou a campanha de vacinação e, em 3 meses, o país vacinou mais de 90 milhões de pessoas. Hoje, a vacina da gripe é a melhor maneira de se proteger contra essa doença.  

A transmissão da gripe H1N1 ocorre por meio das secreções das vias respiratórias de uma pessoa infectada. Ao falar, tossir ou espirrar, o indivíduo pode acabar transmitindo o vírus para outra pessoa. O contato das mãos com superfícies contaminadas por essas mesmas secreções, pode levar à infecção, já que a pessoa leva o agente infeccioso das mãos diretamente aos olhos, nariz e boca.

  1. Varíola

OMS declarou em 1980 a erradicação da Varíola, uma das doenças mais graves já existentes, que matou mais de 300 milhões de pessoas ao longo do século XX. Foi a enfermidade infecciosa que mais causou óbitos na história da humanidade. 

Por não existir um tratamento efetivo contra a varíola, a solução era tentar amenizar ao máximo a coceira e a dor causadas pela doença e esperar que o organismo reagisse e vencesse o vírus. 

Só foi possível vencer a varíola e erradicá-la após campanhas, medidas e ações realizadas pela OMS ao redor do mundo, em 1967. No Brasil, a Fiocruz teve um papel fundamental para obter o controle da doença.

  1. AIDS

A Aids é uma doença causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e é considerada uma infecção sexualmente transmissível (IST). Ela foi identificada nos Estados Unidos nos anos 80 e circula até hoje ao redor do mundo.

A transmissão do HIV acontece por meio da relação sexual sem preservativo, do compartilhamento de seringa contaminada, da transfusão de sangue contaminado e dos instrumentos que furam ou cortam contaminados e não esterilizados. Além disso, mães infectadas também podem transmitir para o bebê durante a gestação, parto e amamentação.

Ainda não existe uma vacina contra a Aids e nem cura, porém há um tratamento com medicamento antirretroviral (ARV) que é distribuído gratuitamente no Brasil. O ARV ajuda a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico e impede a multiplicação do HIV no organismo.

Foram mais de 20 milhões de mortos desde a sua descoberta. No Brasil, o número de óbitos diminuiu em 17,1% nos últimos cinco anos. Em 2015, foram registradas 12.667 mortes e, em 2019, esse número caiu para 10.565. As ações e campanhas como a testagem para a doença e o início imediato do tratamento, em caso de diagnóstico positivo, são essenciais para a redução do número de óbitos, segundo dados do Ministério da Saúde.

  1. Ebola

O vírus do ebola, Filoviridae, foi identificado pela primeira vez em 1976 quando houve surtos da doença no Sudão e na República Democrática do Congo, na África. 

Entre 2013 e 2016, houve um surto epidemiológico também em regiões da África. Em 2014, houve suspeita de ebola no Brasil, porém foi descartado. Em 2018, foi registrado outro surto de novo no continente africano, matando mais de 2 mil pessoas.

A transmissão do ebola acontece por meio do contato direto com o sangue, tecido ou fluidos corporais de pessoas e/ou animais infectados ou do contato com objetos e superfícies contaminados.

Ainda não existe uma vacina disponível contra ebola e a melhor maneira de se prevenir é evitar contato com o sangue ou secreções de animais ou pessoas infectadas.

  1. Cólera

A cólera se espalhou pelo mundo no século XIX e é uma doença ainda em circulação. De acordo com a OMS, os últimos registros indicam mais de 140 mil mortes anuais devido à enfermidade.

Em 2009, 45 países notificaram mais de 220 mil casos de cólera e quase 5 mil mortes. Entre 2010 e 2011, ocorreram surtos no Haiti e na República Dominicana. 

Entre 1991 e 1999, foram registrados – aproximadamente – 200 casos de cólera no Brasil. A partir de 2006, não houve casos autóctones de cólera no Brasil, tendo sido notificados apenas 3 casos importados, um de Angola (2006), um da República Dominicana (2011) e um de Moçambique (2016).

A transmissão da cólera acontece após ingerir água ou alimentos contaminados com a bactéria vibrio cholerae. Já existe vacina contra cólera, contudo, ela é indicada somente para áreas com endemia, em situações de crise humanitária com alto risco para doença ou em casos de surtos. 

  1. Malária

Por não ser uma doença contagiosa, um indivíduo infectado não pode transmitir a malária para outras pessoas. A transmissão acontece, principalmente, por meio de picadas de mosquito.

Em 2017, estima-se que houve 219 milhões de casos de malária em 90 países e 435 mil mortes. No Brasil, 99% dos casos ocorrem na região Amazônica. Mais de 400 mil pessoas morrem anualmente dessa doença, sendo 95% dos óbitos registrados na África.

Apesar de ser uma doença grave, a malária tem cura e tratamento. Em outubro de 2021, segundo o Ministério da Saúde, a OMS notificou a recomendação de uma vacina contra a malária para crianças que residem em regiões com alta ocorrência. 

  1. Tuberculose

A tuberculose é uma das doenças mais antigas do mundo, descoberta em 1882. A partir de 1990, foi notado que em vários lugares do mundo o número de casos de tuberculose, principalmente ligados ao HIV, estava crescendo. A OMS informa que são registrados 10 milhões de novos casos de infecção por tuberculose  anualmente ao redor do mundo.  No Brasil, são notificados 70 mil novos casos e mais de 4 mil mortes. 

A transmissão acontece por meio da inalação de aerossóis oriundos da fala, espirro ou tosse das pessoas com tuberculose. Diferente de outras doenças, ela não é transmitida pelo contato com objetos compartilhados. 

O tratamento é feito por meio de fármacos e,no Brasil, eles são disponibilizados gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Se o tratamento for feito adequadamente e corretamente, é possível se curar da doença.

  1.  Febre amarela

A epidemia da febre amarela no Brasil, eclodiu no período de 1850. Na época, ainda não havia informações a respeito dessa doença. Somente no fim do século XIX, foram feitas descobertas que ajudaram na luta e controle da febre amarela.

Segundo o Ministério da Saúde, entre 2020 e 2021, no Brasil, houve registros confirmados de 37 casos em primatas não humanos com suspeita de febre amarela. 

A febre amarela é transmitida por meio da picada de um mosquito infectado e não é possível ser transmitida diretamente de uma pessoa para outra. A vacina contra a febre amarela é a principal forma de prevenir e controlar a doença.

Percebe-se como o isolamento social, boas práticas de higiene, tratamento adequado e vacinação funcionam para ajudar no controle e evitar a transmissão das doenças. 

O Ministério da Saúde atualizou as orientações referente a vacinação das pessoas que possuem comorbidades. De acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), esse será o próximo grupo prioritário a ser vacinado.

A principal atualização no documento informa que as pessoas com comorbidades precisam estar pré-cadastradas no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) ou em alguma unidade de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). Com o prontuário ativo dos interessados, os municípios garantem uma maior precisão no quantitativo do grupo. Caso não tenha inscrição, a apresentação de um comprovante que demonstre que a pessoa pertence a um destes grupos de risco, como exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica também é válida no momento da vacinação.
Entre as comorbidades incluídas como prioritárias para vacinação contra a Covid-19 estão Diabetes, Pneumopatias crônicas graves e Hipertensão Arterial Resistente (HAR). O Ministério da Saúde também orientou que pessoas com comorbidades sejam convocadas de acordo com a sua idade.

Conferira a lista completa de comorbidades prioritárias.

A Pfizer divulgou uma nota informando que “está ciente das observações israelenses sobre inflamação no coração que ocorreram predominantemente em uma população de homens jovens que receberam a vacina da Pfizer-BioNTech contra a Covid-19″.

“Os eventos adversos são revisados regular e exaustivamente e não observamos uma incidência maior de miocardite do que seria o esperado na população em geral. Uma relação causal com a vacina não foi estabelecida. Não há evidências neste momento para concluir que a miocardite é um risco associado ao uso da vacina da Pfizer-BioNTech contra a Covid-19”, finalizou.

“É uma situação que deve ser investigada e precisamos esperar por um relatório final, mas em uma análise intermediária parece que o risco de adoecer com Covid-19 é muito maior do que com os eventos adversos da vacina, e o risco de inflamação no coração após a vacina da Pfizer é baixo e temporário”, disse Nadav Davidovitch, diretor da escola de saúde pública da Universidade Ben Gurion.

Fonte: reuters.com

A pandemia do coronavírus tem afetado as pessoas de diferentes formas. Uma nova pesquisa, feita nos Estados Unidos com 2 mil consumidores, mostrou que, para 51% deles, a pandemia afetou negativamente como eles se sentem em relação aos seus corpos. A pesquisa também descobriu que a massagem ficou em segundo lugar – atrás apenas de férias – como o método mais necessário para recuperar a autoconfiança pré-pandemia.

Levantamento feito com 2 mil pessoas indica férias em primeiro lugar e massagem em segundo. Entre os entrevistados, 49% afirmaram que não têm o mesmo nível de confiança que tinham antes da Covid-19

“A situação que estamos vivendo tem causado danos físicos e abalado a saúde mental em muitos de nós”, comenta Gustavo Albanesi, CEO do Buddha Spa, a maior rede de spas urbanos do Brasil. “As pessoas estão passando muito tempo em casa e fazendo malabarismos com as crianças em ‘homeschooling’ e os adultos em ‘home office’, além das tarefas domésticas. É importante cuidar de si neste momento, incorporando rituais de autocuidado e relaxamento, com massagens terapêuticas e exercícios físicos. Os óleos essenciais também ajudam a equilibrar o ambiente e manter o bem-estar.”

Conheça mais alguns insights relevantes da pesquisa:

  • 40% dos consumidores disseram que passaram por um espelho e não reconheceram seu reflexo pelo menos uma vez desde o início da pandemia;
  • 49% afirmaram que não têm o mesmo nível de confiança que tinham antes da Covid-19;
  • 51% revelaram que a pandemia afetou negativamente a forma como eles se sentem em relação ao corpo;
  • 42% confessaram não se sentir mais “em casa” com o corpo;
  • 47% disseram que seu corpo está doendo de maneiras novas e diferentes desde março de 2020;
  • 58% disseram que sua rotina diária desde o início da pandemia está causando grande desgaste em seus corpos;
  • 50% admitiram sentir-se fisicamente esgotados diariamente devido ao estresse geral da pandemia, enquanto 46% culparam a “mesmice” geral da passagem dos dias por se sentirem esgotados;
  • 45% experimentavam dor crônica antes da pandemia e, desses, 66% experimentaram um aumento em sua dor crônica durante a pandemia;
  • Enquanto isso, dos entrevistados que nunca experimentaram dor crônica antes (55%), 30% disseram que o estresse da pandemia os tornou aflitos com dor crônica pela primeira vez em suas vidas.

Muitos dos entrevistados querem fazer melhorias no que diz respeito à autoconfiança e ao bem-estar físico:

  • 52% acham que férias vão ajudar a recuperar a confiança pré-pandemia;
  • 37% disseram que vão precisar de uma massagem para recuperar a confiança pré-pandemia;
  • 67% desejam melhorar seus níveis de energia e 46% desejam melhorar sua flexibilidade;
  • 44% dos entrevistados querem melhorar a dor nas costas que estão sentindo, enquanto 43% planejam melhorar a postura;
  • 40% acham que vão precisar de ajuda profissional para fazer com que seu corpo se sinta como se fosse antes da pandemia.

5 coisas para retomar a confiança pré-pandemia

  • Férias (52%)
  • Massagem (37%)
  • Sair à noite (37%)
  • Cortar o cabelo (33%)
  • Manicure/pedicure (33%)

A pesquisa foi realizada pela OnePoll a pedido da rede de franquias de massagem Massage Envy, do Arizona.

Desde o ano passado, com a pandemia causada pelo coronavírus, têm surgido no mercado diversas soluções que prometem exterminar o vírus. A dúvida que fica é: quantas delas, de fato, conseguem essa proeza e, mais, quais são seguras para ser aplicada dentro de casa?

Diferentemente dos processos de limpeza comuns, que não são capazes de matar bactérias, fungos ou vírus, seja o Sars-Cov-2 ou quaisquer outros que já estão em nosso cotidiano, a radiação UV-C, encontrada em lâmpadas germicidas, desintegra o DNA desses micro-organismos devido a energia contida no comprimento de onda do raio de luz, destruindo sua estrutura e inativando as células vivas do vírus. Esse método já é usado há muitos anos no combate à transmissão de doenças, sobretudo em ambientes médicos, como hospitais e clínicas. 

Agora, tem conquistado o público por outros fatores também: além de ser altamente eficaz, se realizado por profissionais competentes que saibam dosar a intensidade da irradiação, a desinfecção é ecológica, pois a adição de produtos químicos não é necessária. Como consequência, se torna bastante segura para quem tem animais de estimação ou crianças em casa, minimizando o risco de alergia aos cheiros provocados pelos produtos de limpeza doméstica comumente utilizados. 

“As infecções causadas por patógenos transportados pelo ar caem ou se espalham pelas superfícies, por isso, importamos uma tecnologia da China para combater o coronavírus. A sanitização UV-C mata quase 100% desses agentes infecciosos quando associada a potência da luz ultravioleta, reduzindo a quase zero as chances de contaminação. É, portanto, uma maneira de evitar a disseminação do coronavírus, que continua em alta. O que até algum tempo era restrito aos hospitais, agora pode ser aplicada dentro da nossa casa ou veículo de transporte pessoal, pois precisamos estar sempre seguros e apostar em aparatos tecnológicos que garantem a sanitização destes espaços, sendo, assim, uma forma de contribuir de maneira positiva para barrar a transmissão do vírus”, explica Fritz Paixão CEO da CleanNew, rede especializada na higienização de estofados.

Outra vantagem é que não há possibilidade desses microrganismos desenvolverem resistência à radiação UV-C, como pode ocorrer com o uso de medicamentos e outros produtos. “O raio é absorvido imediatamente pelo DNA dos microrganismos destruindo sua estrutura e inativando as células infectantes. Não há como os vírus ou bactérias ficarem suscetíveis às mutações”, pontua o executivo.

Segundo Paixão, empresas do ramo que utilizam os raios ultravioletas, cresceu 95% no ano passado justamente pela preocupação em oferecer produtos com efeitos bactericidas para proporcionar aos clientes a sensação de bem-estar. “Mais de 70% das nossas clientes são mulheres preocupadas com a segurança dos filhos e familiares. O aumento foi um reflexo da mudança de comportamento do consumidor, que passou a ficar mais tempo dentro de casa, na sua cama e na sala de estar, que tem potencial para acumular sujidades e devem ser higienizados com frequência”, afirma.

As doenças do trato respiratório são enfermidades que demandam atenção, principalmente, pela complexidade e a forma em que podem se apresentar nos seres humanos. Todo este cenário pode ser ainda mais forte com o início do Outono, estação iniciada no dia 20 de março. O período dura até o dia 20 de junho e é caracterizado por ser a estação do ano que sucede o verão e antecede o inverno. Além disso, nas regiões de clima temperado ou subtropical, o outono apresenta uma queda gradativa na temperatura e, além do amarelar, é início da frequente queda das folhas das árvores, considerado como principal indicador de início da estação.

Com a pandemia da Covid-19, os cuidados com a saúde devem ser redobrados

Nesse sentido, as doenças do trato respiratório, tais como rinite, bronquite, sinusite, asma, resfriado, gripe, pneumonia e, neste momento pandêmico, o novo coronavírus, tornaram-se enfermidades que recebem grande atenção, pois, muitas delas, se não tratadas devidamente, são capazes de levar uma pessoa a óbito.

Um dos principais agravamentos para estas doenças durante a estação do outono se dá, principalmente, pela mudança de temperatura e pela chegada do frio que, por si só, é prejudicial às vias aéreas. Além disso, também é um período marcado pela redução da umidade do ar, ocasionando um grande acúmulo de poluentes na atmosfera e, assim, o aumento de casos destas doenças no período.

As doenças mais comuns neste período

As principais doenças respiratórias que podem se manifestar neste período do outono são:

  1. Rinite: caracterizada pela inflamação interna do nariz e estruturas próximas, ocasionada pela exposição aos agentes alérgicos, tais como poeira e mofo, principalmente. Seus principais sintomas são: obstrução nasal, coriza, espirros, irritação ocular e coceira nasal.
  2. Bronquite: é a inflamação dos brônquios – dutos que levam o oxigênio aos pulmões. Os principais sintomas são falta de ar, chiado no peito, dor no peito, tosse seca e febre.
  3. Sinusite: é uma inflamação das mucosas da face, localizadas ao redor do nariz. Possui sintomas similares à rinite, especificamente, dor de cabeça, congestão nasal, coriza, tosse e, em alguns casos, pode apresentar febre.
  4. Asma: geralmente, ocorre quando os pequenos dutos pulmonares, chamados bronquíolos, são estreitados por um processo inflamatório, dificultando a respiração.
  5. Resfriado: é uma infecção viral que afeta o sistema respiratório, podendo ser causada por diversos tipos de vírus. Um ser humano infectado por um vírus que lhe provoque resfriado, geralmente, se recupera em um período de 7 a 10 dias após o início dos sintomas.
  6. Gripe: assim como o resfriado, a gripe é causada por um vírus, o Influenza. Neste caso, os sintomas se apresentam de forma mais intensa, tais como: tosse, dor de garganta, febre, indisposição e dores nas articulações.
  7. Pneumonia: é uma infecção no pulmão causada por um vírus ou bactéria, normalmente desencadeada por uma gripe ou um resfriado mal cuidado. Os sintomas que se apresentam frequentemente em um quadro de pneumonia são dor no peito para respirar, tosse com catarro, fadiga, febre, calafrios, náusea e dificuldade para respirar.
  8. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica: considerada como um problema progressivo e irreversível, a DPOC afeta diretamente os pulmões, destruindo os alvéolos pulmonares.

Vale destacar que os sintomas apresentados em um resfriado e, principalmente, na gripe são muito parecidos com os da Covid-19, por isso, é muito importante que o paciente busque o tratamento médico mais adequado possível. “Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a febre, tosse seca, dor de garganta e a falta de ar foram considerados os principais indicadores de que uma pessoa possa estar contaminada pela Covid-19. Porém, os sintomas são semelhantes nos casos de gripe e resfriado, por isso, buscar ajuda médica nestes casos é fundamental”, afirma Milton Monteiro Júnior, enfermeiro infectologista SCIH do Hospital HSANP.

As principais formas de tratamento

Após o atendimento médico adequado, grande parte das doenças respiratórias podem ser tratadas por meio de medicamentos como antibióticos, corticoides e broncodilatadores, além de fisioterapia. Lavar bem as mãos, não fumar, ingerir bastante água e ter uma boa alimentação também podem auxiliar no tratamento. Importante saber que, no caso da gripe, principalmente, já existem vacinas capazes de imunizar e proteger o ser humano contra o vírus Influenza.

A vacinação pode ajudar?

A vacinação pode ser uma grande aliada na prevenção e imunização para doenças como gripe e, atualmente, o novo coronavírus. Na última semana, o Governo Federal anunciou o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (gripe), entre o período de 12 de abril a 9 de julho. Entretanto, vale destacar que, por se tratar de uma campanha a ser realizada simultaneamente à de imunização da Covid-19, o indivíduo precisa se atentar ao tomar as vacinas. Segundo recomendações do Ministério da Saúde, o cidadão brasileiro precisa priorizar a vacinação da Covid-19 e, além disso, respeitar um intervalo mínimo de 14 dias entre tomar a vacina do novo coronavírus e a de gripe, devido à falta de estudos sobre a coadministração dos imunizantes. “É muito importante que as pessoas se conscientizem da importância das vacinas e, principalmente, quanto ela pode salvar vidas. Respeitar esse período apresentado pelo Ministério da Saúde é essencial para a imunização em massa da população diante do cenário tão grave que o nosso país se encontra”, conclui Milton.

 

Ser multitarefa tem sido tradicionalmente percebida como uma habilidade feminina, no entanto a atividade está mais relacionada ao acúmulo de funções do que à competência. Com a pandemia do Covid-19 e as mudanças na rotina muitas mulheres dobraram a quantidade de tarefas realizadas.

As mães que trabalhavam fora, foram obrigadas a equilibrar o home office com os estudos dos filhos, cuidados com a família e administração da casa. Não que isso não possa ser feito, mas sem organização torna-se um malabarismo perigoso com gatilhos como ansiedade, estresse e depressão que prejudicam quadros de uma das enfermidades que mais afetam as mulheres, as doenças reumáticas.

Com as mulheres representando mais de 60% dos casos de doenças reumatológicas no Brasil, sendo elas autoimunes como Lúpus, artrite reumatoide, ou degenerativas como osteoartrite e osteometabólicas como a osteoporose, os estudos sempre tentam buscar o porquê dessa população feminina ser a mais afetada.

Uma grande causa para a incidência ser maior nas mulheres são os hormônios femininos, que passam por alterações bruscas em períodos de gravidez e menopausa, podendo afetar de maneira específica o sistema imunológico. Tanto que muitas das doenças reumatológicas surgem após esses períodos de grande mudança hormonal no organismo. Além disso, o fato de que em muitas culturas (maioria) as mulheres serem as únicas responsáveis diretas pela função de multitarefa, pode levar a um estresse emocional, quadros depressivos e de ansiedade, que podem funcionar como o estopim no sistema imune, levando ao desenvolvimento de tais doenças. Outro fator decorrente de ser multitarefa é o cansaço e a dor musculoesquelética causada diretamente pelas “funções atribuídas à mulher”, o que claramente pode mascarar diagnósticos sérios como artrite, artrose, fibromialgia e até mesmo levar à perigosa automedicação.

Segundo a especialista da Cobra Reumatologia, Dra. Camille Figueiredo é preciso estar muito atenta às dores e aos inchaços nas articulações, principalmente nas mãos, punhos e pés.

Uma coisa é um dolorimento difuso muscular decorrente da sobrecarga de trabalho que envolve atividade física, como é o caso da atividade voltada à limpeza do lar, organização do ambiente, cozinhar, lavar etc. Outra coisa é o sono não reparador, seguido de dor ao levantar, com certa rigidez articular que precisa de “algum tempo” para que os movimentos habituais sejam realizados, além de dor localizada em articulações específicas como punhos e nas pequenas articulações das mãos, acompanhadas ou não de inchaço (edema articular); isso tudo nunca poderá ser encarado como “dolorimento normal de muita atividade”, tem algo acontecendo no organismo, que não é compatível com somente sobrecarga de atividade. E é nesse momento que a busca por atendimento especializado deve ser feita para evitar coisas como: automedicação, que pode mascarar algumas doenças reumatológicas por um certo período de tempo, atrasando o diagnóstico e consequentemente o tratamento dessas doenças, além de em grande parte das vezes levar à destruição óssea e articular, com prejuízo da função, por vezes irreversível, dependendo do atraso no início do tratamento reumatológico. – doutora Camille Figueiredo

Dores fortes que se estendem por mais de dois dias não são normais e não devem ser tratadas com analgésicos musculares. É preciso ficar atento se houve alguma lesão ou esforço físico excessivo que justifique a dor, caso contrário um reumatologista deve ser consultado.

Também para as pacientes que já possuem diagnóstico vale lembrar que a rotina e a dieta devem ser regradas para que o quadro reumático não piore. Abaixo a doutora Camille Figueiredo lista algumas dicas de como otimizar a rotina para ter uma vida saudável.

  1. Alimentação saudável: evite ao máximo incluir em sua dieta alimentos industrializados e condimentados. Controle a ingestão de sódio e carboidrato. Dê prioridade a frutas, vegetais e carne e claro, cálcio (leite, queijos e iogurtes, além de folhas verdes escuras).
  2. Adapte o ambiente: busque adaptar o ambiente às suas necessidades, use utensílios que facilitem atividades como abrir latas e potes, por exemplo.
  3. Dê uma folga aos seus pés: utilize calçados confortáveis, com solados rígidos para melhor estabilidade. Evitem saltos, para pacientes que apresentam deformidades e calosidades nos pés decorrentes da artrite reumatoide, recomenda-se sapatos especiais, de acordo com cada problema. Um calçado adequado garante equilíbrio articular e evita quedas (isso inclui retirar tapetes que deslizam e levam a quedas com fraturas, para quem tem fragilidade óssea).
  4. Inclua exercícios físicos prazerosos em suas atividades. O planejamento do programa de atividade física elaborado por um profissional ajudará a trazer ganho de força muscular, flexibilidade e equilíbrio. Além disso, a atividade física ajuda a controlar a doença, com melhora da dor, sono e humor.
  5. Além de exercícios físicos, exercícios que fazem bem à mente também são mais que necessários: inclua algum hobby como leitura, bons filmes, jogos, bordados, pintura, desenhos etc, algo que seja prazeroso ao seu dia a dia.
  6. Se organize e distribua as responsabilidades: ser multitarefas não é obrigação de ninguém. As funções podem ser divididas por todos que moram na casa e, se organizadas podem se tornar até bem-vindas na rotina.

Sobre a doutora: Formada pela Universidade do Estado do Pará (1998), Camille Pinto Figueiredo é responsável pelo braço acadêmico da Cobra Reumatologia. Com residência e doutorado realizados no Hospital das Clínicas (FMUSP) e pós-doutorado pela Friedrich-Alexander-University Erlangen-Nuremberg (Alemanha), Camille é médica e pesquisadora, dedicando-se, sobretudo, aos estudos sobre metabolismo ósseo e HR-pQCT. Em virtude de suas pesquisas, Camille foi congratulada com quatro prêmios, dentre eles, atribuídos pela Sociedade Brasileira de Densitometria Óssea, juntamente com outros pesquisadores: “Prêmio Antônio Carlos Araújo de Souza em Densitometria Clínica” (2008) e “III Prêmio de Incentivo à Pesquisa em Osteoporose e Osteometabolismo” (2011).

Junto com a pandemia, muitos profissionais passaram a acumular cargas de trabalho excessivo e desgastante. E se há quem pense que isso pode ser bom ou ter algum glamour, a advertência médica é clara: a sobrecarga pode levar ao esgotamento físico e psíquico, dando espaço ao surgimento da Síndrome de Burnout. 

 
 
Segundo a psicóloga do Hospital Edmundo Vasconcelos, Marina Arnoni Balieiro, o cenário atual é altamente propício para o desenvolvimento do problema. Motivos: a flexibilidade de horário do trabalho remoto e as restrições a escapes, como uma parada para almoçar ou tomar café fora. “Isso eleva mais a pressão no indivíduo e pode levar a uma crise de ansiedade ou até mesmo a um estágio de depressão”, reforça Marina.
 
A psicóloga esclarece que há um fator importante que explica por qual razão algumas pessoas desenvolvem o problema e outras não, mesmo trabalhando nas mesmas condições. “O desenvolvimento da síndrome não pode ser generalizado, pois é uma soma entre o ambiente e atributos individuais. Por vezes, a pressão profissional pode ter origem na instituição empregadora, na própria profissão ou mesmo estar associada a características do paciente”, explica. 
 
Independentemente do fator desencadeante, é importante estar atento aos sinais para um diagnóstico rápido. É comum que esse processo de esgotamento seja gradual. Ao longo da evolução do quadro podem ser percebidos sinais como insônia, dificuldade de concentração, irritabilidade, baixa autoestima, desânimo e, em pacientes com estágio mais avançado, surgimento de dores no corpo e na cabeça, insegurança e depressão.
 
“Para evitar essa evolução dos sintomas, o ideal é um diagnóstico no início. Neste estágio, em geral, conseguimos bons resultados com acompanhamento profissional e terapia. Em quadros mais avançados, é necessário incluir a medicação para tratar os sintomas e permitir uma melhora na qualidade de vida, o que não significa ser possível abrir mão do acompanhamento por meio da terapia”, enfatiza a psicóloga.
Postagens mais recentes

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Leia mais

Política de privacidade e cookies